segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Sozinho - Segundo Ato!

                                                                 
Lá fora está chovendo. Tem coisa melhor que chuva? Provavelmente, você vai dizer que existe. Pô, pensa comigo. Domingo, nublado e com chuva ainda. Quem vai querer sair de casa? Em outros tempos, eu sairia, sem dúvidas. Já fui trouxa, jovens leitores.
Tá, chega de conversa fiada. Tô aqui para bater um papo sério com vocês. Sozinho, Parte 2. Para quem não se lembra da primeira parte: Clique Aqui. Novamente, venho falar desse assunto polêmico, estranho e absurdamente libertador. Bora? Bora!


Lembro, que no primeiro texto eu disse que ia diariamente ao cinema sozinho ou saia sozinho para comer besteiras também. É legal? Para mim... Sim! Mas vai depender muito do pessoal de cada um. O que pode ser interessante para você. Não pode ser interessante para mim. Mas eu super apoio vocês irem no cinema sozinho algum dia. É cabuloso na primeira vez. Mas não é nada fora dos padrões, entende?
É um pouco chocante ouvir alguém próximo a mim, falar que já foi ou vai no cinema sozinho. Caramba, eu pensava que era o único maluco que tinha coragem a tal ato.


Ainda voltarei nesse ponto.

Últimamente, tive uma conversa com um amigo sobre isso. "Você se sente sozinho, mesmo estando com sua turma perto de você?" Ele disse que -to sozinho sempre-. Claro, cada um com sua maneira de entender esse lado "solitário".

E ontem, numa roda de três amigos, foi tocado no assunto de viajar sozinho. Se eu não tinha nenhum amigo pra ir. Eu respondi: "Amigo mesmo eu acho que não tenho, sei lá. Nenhum me deu prova viva disso. Se for olhar, sei que posso contar com uns dois, talvez. Chamei meio mundo e ninguém aceitou viajar". Isso é tão sublime. Amizade e andar sozinho são duas coisas que andam juntas e sempre vai ser assim.

Na minha opinião: Temos que fazer alguma coisa sozinhos para entender nos mesmos. Precisamos de momentos para termos uma noção profunda do que queremos. Se você estiver sempre acompanhado não vai entender algumas coisas, como: "Sei me virar sozinho?"

                                                


Depois do primeiro texto que eu fiz. Me coloquei a prova! Comecei a ficar mais sozinho. Aliás, antes mesmo disso eu já estava sozinho. Esse ano está sendo bastante solitário. Entendem? Claro, pessoas pra conversar vai ter sempre. Você começa a sair menos por causa da dieta. E acaba se isolando, isolando e acaba que você fica só e se você não for atrás, ninguém vai lembrar de ti. Carência? Não sei. Talvez a falta de alguém pra conversar aconteça isso. Mas você aprende a lidar com os sentimentos pouco a pouco. A falta de um parceiro, amigão mesmo faz falta. Enfim, acabo me acostumando e vejo que não é bicho de sete cabeças. Para outros: É a morte!
Mas você deve se perguntar: "E namorar? Não sente falta?" Olha, isso para mim nunca foi problema. Meu foco no primeiro momento é a perca de peso. Eu redireciono e penso o que quero e boto aquilo como prioridade.

"Estar sozinho nunca me pareceu certo. Às vezes me senti bem, mas isso nunca me pareceu certo."

Ontem, durante a conversa no carro com essas pessoas. Eles me disseram: "Você tem muita coragem em viajar sozinho. Eu não teria coragem. Prefiro ir com amigos e dividir os momentos juntos".

Bom, vamos lá. Deixa eu explicar como é a sensação de viajar sozinho. Eu me senti vivo! Sabe? É a primeira vez que estava em um lugar sozinho, num lugar desconhecido. Sentir que estava no controle e poderia fazer tudo que eu quisesse e do jeito que eu quisesse. É uma sensação ótima!
No primeiro dia eu me senti só, não vou mentir. Mais que o normal! São Thomé é massa? Demais! Mas andando pelas ruas escuras, sem conhecer ninguém dá uma sensação de saudade, angústia. Mas isso passou depois que eu conheci as primeiras pessoas da cidade e puxei assunto. Enfim, isso é assunto pro post do Mochilão, haha.

Percebi que voltei muito mais comunicativo e sei lá, animado. Entenderam até aqui? Não é ruim. Viaje sozinho quando puder e vou bater nessa tecla sempre.
Estar sozinho sempre foi a fobia do século das pessoas. Solidão é um medo tão surreal, que muitos precisam de estar namorando sem vontade, pura carência. Ter uma turma grande para se sentir bem. Olha, na minha humilde opinião. As pessoas que estão sempre cercadas de outras pessoas são as mais solitárias. Alguém, que sempre quer fazer uma resenha todo fim de semana e tem aquela turma grande já é um clássico caso do que quero falar.
Últimamente tenho observado mais e visto coisas que ninguém nunca chegou a reparar. Noto, que gente afobada por companhia tem um medo descomunal de sentir só. Vejo muita gente que precisa por que precisa alguém pra almoçar para não se sentir só.

Todos merecem um tempo só. Pensar um pouco, sair e rever conceitos. Uma mente deve ficar sozinho, para pensar um pouco. Sempre!

Nenhum comentário:

Postar um comentário